voltar

Blog > Dicas

Respeitando o espaço do bebê

Quantas vezes vemos pessoas acharem que bebês são objetos fofos para serem abraçados e beijados como se eles não possuíssem sentimentos? Pois, pelo contrário, dependendo da personalidade do seu bebê, ele pode muitas vezes não querer ir no colo ou interagir com um desconhecido.

Por isso, os pais devem ter em mente que o bebê também tem seu tempo para acostumar-se e familiarizar-se com desconhecidos. Do mesmo modo, os desconhecidos devem não ser tão invasivos quando conhecem um novo pequeno. Não esqueçamos que bebês são também pessoas como nós.

Assim, é preciso respeitar o espaço do bebê, dar a ele seu tempo, não só para que se acostume com estranhos, mas com qualquer mudança maior em sua rotina. Mesmo sem ainda saber falar ou expressar propriamente seus sentimentos, os bebês e as crianças mais novas são muito sensíveis a quaisquer práticas invasivas por parte dos adultos.

E nós, adultos, precisamos ter ciência disto. Bebês são fofinhos, lindos e cheirosos, mas também possuem seu próprio tempo e sua individualidade. Nada de avançar o sinal com esses pequenos. É preciso respeitar o espaço deles, para que assim possamos realmente conquistá-los.

Proteção solar no verão e a vitamina D

A preocupação com a proteção solar deve ocorrer o ano todo, porém, intensificar-se no verão. O aumento da incidência de raios UVA e UVB desta estação, fora as férias e idas à praia ou outros lugares abertos, faz com que os pais se preocupem mais com o filtro solar. Mas é preciso certa medida com essa preocupação: não se esqueça, o Sol é vital para todos nós e precisamos dele para que nosso corpo produza vitamina D, essencial para a saúde. Alguns alimentos, como peixes, fornecem vitamina D através da alimentação, porém o Sol é responsável por cerca de 80 a 90% da sua presença em nosso organismo.

Por isso, quando falamos de proteção solar, não se trata de defender-se totalmente do Sol, mas escolher os melhores horários para expor-se a ele e proteger-se nos horários em que ele pode ser nocivo ao nosso corpo e especialmente ao dos pequenos, que possuem uma pele mais sensível que a de um indivíduo adulto.

Assim, o ideal, é expor-se ao Sol das 6h às 9h da manhã sem proteção. Durante esse período, a incidência de raios UVA e UVB ainda é fraca e faz bem à nossa saúde. Depois desse período, é passar filtro solar de duas em duas horas ou toda vez que você ou seu pequeno saírem da água.

Escolha um produto com, no mínimo, FPS 30. Espalhe bem com as mãos pelo corpo todo. Não se esqueça da orelhas, nuca e pés do pequeno, partes do corpo que recebem radiação e possuem uma camada mais fina de pele. Não se esqueça também dos acessórios, como chapéus e óculos escuros. Eles protegem principalmente a saúde dos olhos e face.

Além da proteção, escolha bem os horários de exposição ao Sol. Mesmo com filtro solar, ficar durante o horário do almoço na praia pode ser prejudicial à saúde do pequeno, pois o calor pode causar quadros de insolação e desidratação. Para ele curtir e brincar com mais liberdade, acorde cedo, e aproveite o melhor período do dia, em que os raios solares podem trazer saúde às crianças.

Natal com menos consumismo e mais caridade

Natal, na cabeça da maioria das crianças, significa presentes. Isso, normalmente, também preocupa os pais, pois significa gastos extras muito grandes e uma ideia de consumismo exacerbado para os pequenos. Por isso, por que não combinar com seu filho um natal com menos consumismo? Isso pode ser feito de uma maneira que traga importantes lições para o pequeno.

Como? Simples, ao invés de seu filho ganhar vários novos brinquedos, ele pode ganhar apenas um ou dois e doar o restante para crianças carentes. Que tal combinar isso com o seu filho? Será um aprendizado para a vida toda.

Primeiro, explique para seu filho que nem todas as crianças possuem condições sociais como a dele e que muitas sequer podem ganhar presentes no natal ou em outras datas comemorativas pois sua família não possui dinheiro para isso. Tendo o pequeno entendido isso, proponha a ele que juntos vocês doem alguns de seus presentes para outras crianças.

O ato de doar trará um aprendizado incrível para seu filho. Não se esqueça, são os próprios pais que condicionam as necessidades de consumo de suas crianças. Por isso, fazer com que elas abram mão de presentes para fazer bem ao outro, acabará as condicionando a sempre praticar esse bem durante a vida. Diminuirá o egoísmo e o individualismo delas. Ademais, impossível uma criança não se emocionar ajudando outra criança, é de um tipo riquíssimo de crescimento humano que estamos tratando aqui.

Também, o seu filho pode escolher dentre os brinquedos que não utiliza mais e que estejam em bom estado outras formas de praticar a caridade com crianças que precisam mais do que ele. É um jeito de ensinar ao pequeno o desapego das coisas e que pode ser praticado o ano todo.

Assim, mais e mais crianças ficam felizes e podem brincar, desenvolvendo sua imaginação e criatividade. Essa é uma lição única que pode ser ensinada durante a infância de seu filho e que desencadeará nele um novo olhar sobre o mundo.

Preparando seu filho para as viagens de fim de ano

Final de ano chegando e é sempre um alívio poder fazer aquela viagem de férias e sair um pouco da rotina. Mas se temos filhos, fica um problema: como preparar as crianças para a saída da rotina e do seu espaço confortável? Claro que os pequenos também adoram viajar e conhecer novos lugares, porém, muitas vezes, a saída da rotina pode estressá-los e criar uma certa angústia sobre o novo com que se defrontarão.

Já falamos várias vezes aqui no blog que a rotina é algo indispensável para as crianças, pois assim elas acreditam possuir o controle sobre o que acontecerá e mantém-se menos ansiosas com relação ao mundo novo que estão descobrindo. A rotina também é a mãe da disciplina e do sossego dos pequenos. Uma vida regrada é tudo que seu pequeno precisa para ser calmo e aprender a ter responsabilidade quando mais velho.

Uma viagem pode criar certa angústia nos pequenos quando está prestes a acontecer, por isso, é preciso prepará-los com antecedência para esse evento. Nem todas as crianças gostam de dormir fora de casa e sentem-se desconfortáveis com isso. Assim, ir preparando-as aos poucos para uma viagem é uma estratégia interessante para evitar a sua ansiedade.

Fale sobre a viagem que a família fará com algumas semanas de antecedência. Mostre fotos do hotel ou da casa em que se dará a estadia, assim como imagens da cidade ou da praia que vocês visitarão. Conte como vocês irão até o local, se de carro ou de avião e quantas horas durará o deslocamento. Faça com que a criança participe do planejamento da viagem para que ela possa também se planejar dentro de sua cabecinha.

Diga ao seu filho as coisas divertidas que vocês poderão fazer na cidade que visitarão, se irão encontrar com amigos e parentes. Mostre a ele que brinquedos poderá levar e juntos, montem a sua mala de roupas. Prepare um kit com comidinhas e distrações para que o pequeno não se aborreça durante o deslocamento. Assim, sabendo mais ou menos o que irá encontrar, seu filho permanecerá menos ansioso com relação à viagem, fará planos e imaginará situações divertidas para se distrair.

Outro ponto importante é tentar manter os horários fixos da criança com relação à refeições e sono mesmo durante os dias de passeio. Mesmo saindo um pouco da rotina, para o bem-estar da criança, é preciso que ela seja minimamente mantida.

Aprendendo música na infância

A melhor forma de incitar seu filho a aprender um instrumento é inserindo a música desde cedo em sua vida. Ainda bebê, coloque músicas para que ele possa ouvir, balbuciar e se mover de acordo com a batida. Isso ajuda-o a desenvolver a coordenação motora e o senso de ritmo, além de estimulá-lo a prestar atenção nos diferentes sons de instrumentos e na própria letra da música, ativando o processo de apreensão da linguagem. Cientistas acreditam que ao ouvir música, as conexões entre os neurônios dos bebês se desenvolvem mais fortemente.

A partir dos 5 anos de idade, a criança já consegue acompanhar o ritmo da música com maior coordenação. Esta é a idade ideal para começar a aprender um instrumento. Converse com seu filho sobre qual instrumento lhe agradaria mais aprender e se ele gostaria de ter aulas. É cientificamente comprovado que o aprendizado da música durante a infância ajuda no desenvolvimento do cérebro e contribui para diversas formas de aperfeiçoamento durante o processo de crescimento.

Ao começar a aprender um instrumento, a criança entrará em contato com outro tipo de linguagem, a linguagem musical, onde as representações de sons se dão por notas postas numa pauta de 7 linhas. Assim, é como se a criança aprendesse outra língua cujos símbolos são totalmente diferentes dos alfabéticos. Isso estimula a criatividade e a noção abstrata de registro do mundo.

Depois, para aprender direito o instrumento, a criança desenvolverá a disciplina de tomar aulas semanalmente e praticar diariamente. Verá que todo o esforço depositado em sua prática gera resultados. Essa é uma ótima lição a ser aprendida nos primeiros anos da infância. Por fim, não só o seu cérebro como a coordenação motora fina serão estimulados. Não importa qual instrumento a criança escolha aprender, sempre haverá um desenvolvimento da movimentação corporal em relação ao tempo e ao ritmo da música.

Assim, aprender um instrumento na infância gera benefícios incríveis para o pequeno e ajuda-o a desenvolver aspectos mais importantes da sua inteligência e de seu corpo.

Ninando o seu bebê

O seu bebê desperta, no meio da noite, chorando. Você trata dele com todo amor e carinho, mas ele não descansa, não se acalma. Pode ser fome, dor, mas às vezes é só uma espécie de ansiedade primitiva que precisa ser cessada através de algum método que a libere. A melhor forma de lidar com isso é o ato de ninar.

Ninar o seu bebê é uma forma de acalmar ele e você. Algumas vezes, os pais, vendo que ele não se acalma, ficam ainda mais ansiosos transmitindo esse sentimento. Mas ninando-o, você também irá se acalmar cantarolando palavras doces. Isso é imediatamente passado para o pequeno. Não se esqueça: as reações do seu filho muitas vezes são o espelho do seu próprio comportamento.

Além do mais, ninar o bebê aumenta a sua conexão com ele. Essa é uma dica valiosa para os papais aumentarem a sua intimidade com a criança, uma vez que, muitas vezes, essa conexão é mais forte com a mãe, por conta da amamentação. Ninar faz com que seu corpo esteja junto do bebê e ele sinta a sua respiração calma e os batimentos de seu coração. Isso traz a ele uma paz que é compartilhada imediatamente com você.

Também, cantarolando músicas ou emitindo sons reconfortantes, você estará estimulando o desenvolvimento da linguagem do bebê. Muitas vezes ele fica murmurando enquanto a música é cantada, respondendo à melodia. Isso é uma forma de perceber o estímulo.

Não há nada mais bonito que uma conexão tranquila e amorosa entre pais e filhos e o ato de niná-los desde cedo com certeza ajuda nessa construção.