voltar

Blog > diversão

Fantasias de Carnaval para bebês

Criança fantasiada é a coisa mais fofa do mundo, não é?! E quanto mais novinho o pequeno, maior o índice de fofura!
No post de hoje, separamos algumas ideias de fantasias para bebês de até mais ou menos um aninho de idade para você se inspirar ou só morrer com tanta fofura!

Chapeuzinho vermelho: olha só que graça essa ideia de fantasia para as meninas, uma linda chapeuzinho vermelho montada com um vestidinho rodado de inspiração campestre e uma capa vermelha.

Roqueiro: camisa xadrez, camiseta de banda, óculos de armação grossa e peruca opcional já transformam seu pequeno num roqueiro saído direto dos anos 90.

Charlie Brown: o melhor amigo do Snoopy ganha forma com essa fantasia fofíssima e especial para aqueles bebês mais carequinhas.

Velhinho: essa ideia de fantasiar um bebê de idoso é uma graça. A fantasia da foto é inspirada no personagem do filme Up - Altas Aventuras, o velhinho Fredericksen, que utiliza balões para mudar sua casa de uma vizinhança ocupada por um imenso shopping para um paraíso de cachoeiras, lembra?

Marinheiro: olha que coisa mais linda esse marinheiro! Não é incomum encontrarmos roupinhas estilo marinheiro para bebês e, adicionando uma boininha, temos a fantasia completa.

Sol: uma roupa amarela e um arco que imita raios de Sol cria essa fantasia simples e muito criativa.

Pinguim: se você prefere fantasias mais elaboradas, que podem ser adquiridas com facilidade pela internet ou em lojas especializadas, veja que lindo essa de pinguim.

Tubarão: ainda na onda das fantasias animais, olha só esse tubarão que coisa fofa!

Cogumelo: e essa fantasia com chapéu de cogumelo e calça de planta, não é linda?!

Essas são nossas inspirações para curtir o Carnaval com seu bebê, aproveite o descanso e o tempo extra com ele e boa folia!

Prevenindo a desidratação em bebês

Nesta estação de altas temperaturas, a desidratação dos bebês é um perigo em potencial. Os pequenos precisam de líquido com muito mais frequência que os adultos, uma vez que seu aparelho digestório ainda em formação possui menor capacidade de armazenamento. Para bebês com menos de 6 meses que só mamam no peito, é importante que a mamãe sempre se mantenha hidratada. Normalmente, a amamentação é o suficiente para hidratação do pequeno e, em certos casos, água e soluções hidratantes podem ser recomendadas pelo pediatra.

Já no caso de bebês com mais de meio ano de vida, podem ser administradas pequenas quantidades de água junto com a amamentação regular. Oferecer alguns alimentos sólidos também é uma boa opção para prevenir a desidratação.

O jeito mais simples de saber se seu bebê está precisando de mais líquidos é observando a troca de fraldas. Se o pequeno está trocando menos de seis fraldas molhadas por dia, ofereça-lhe maior quantidade de líquidos. Outros possíveis sinais de desidratação são os seguintes:

— Ficar sem fazer xixi por mais de três horas;
— Urina mais escura e concentrada;
— Lábios e boca secos;
— Pele seca e descamando;
— Olheiras, olhos afundados;
— Poucas lágrimas quando chorar;
— Sonolência exagerada;
— Menor energia e respostas mais fracas aos estímulos.

Se algum desses sintomas for notado, o recomendável é entrar em contato com seu pediatra ou encaminhar o bebê ao atendimento médico mais próximo, para que um profissional oriente o tratamento de reidratação mais eficaz.

O que é engraçado para os bebês?

Desde os primeiros meses de vida, o bebê responde àquilo que lhe parece fora do comum, que o surpreenda de alguma maneira, por exemplo: uma careta, lambuzar-se com comida, um barulho estranho ou alguém novo que interaja de um jeito diferente com ele. No entanto, algumas experiências mais intensas, com um grande número de pessoas e num ambiente pouco familiar podem ser excessivas para a sua tolerância: idas ao circo, shopping, viagens, desfiles de carnaval ou outros eventos mais agitados podem assustar e irritar o pequeno.

Depois do primeiro ano de vida, o bebê passa a entender melhor a linguagem que o cerca e o funcionamento do mundo adquire mais sentido aos seus olhinhos atentos e curiosos. Então começa a fazer sentido para ele vestir calças: elas são suas, servem em suas perninhas e para aquecê-lo. Mas se a mamãe ou o papai vestir essa mesma calça no ursinho de pelúcia ou na cabeça, o significado que o bebê havia relacionado ao objeto perde o sentido, causando graça: mesmo que a calça sirva para vestir suas pernas, ela também pode ir na cabeça do papai e da mamãe, como um chapéu! Esta estranheza entre significante e significado é o que geralmente surpreende e diverte os pequenos dessa faixa-etária.

Antes de conquistarem mais domínio com as palavras, o senso de humor do bebê está mais relacionado ao visual, como no caso das calças na cabeça. Mas é importante fortalecer também seu senso de humor sonoro, que o ajudará a desenvolver a fala e entendimento da língua. Rimas, apelidos, nomes inventados e até nomes sem sentindo nenhum são formas de diversão e aprendizado para o pequeno. Estimule essas brincadeiras com as palavras, além claro, de gestos, esconde-esconde, caretas, abraços e beijos. E principalmente, esteja disposto (a) a rir muito de si mesmo (a) junto com seu bebê!

Bebês e seu médico

Hoje, 18 de outubro, é dia do médico, uma das mais nobres profissões da humanidade. Lembrando desse profissional indispensável ao desenvolvimento sadio de nossos pequenos, este post fala um pouco sobre a periodicidade de visitas ao pediatra durante os dois primeiros aninhos de vida da criança.

O primeiro checkup acontece logo após o nascimento; o pediatra faz um exame físico e motor, dando as primeiras vacinas e questionando a mãe sobre a aceitação da amamentação. De 3 a 5 dias depois, temos a segunda consulta do recém-nascido, vindo a confirmar as constatações do médico sobre a sua saúde logo após o parto.

Com 1 mês de idade, o bebê volta ao consultório e isso se repetirá durante os 6 meses seguintes. A cada 30 dias, o médico acompanha o desenvolvimento físico e cognitivo do pequeno, atentando para seu crescimento, ganho de peso e amamentação. Depois, recomenda-se uma visita ao médico com 9 meses de idade, quando o bebê começa a balbuciar seus primeiros sons, passa a tentar ficar de pé e responde mais rapidamente aos estímulos do ambiente.

Completado 1 ano, é hora de retornar. O bebê já começa a andar e a se interessar por comidas, não só papinhas. Fala algumas palavras e compreende comandos. A próxima visita se dá aos 15 meses de idade, a variedade de comidas consumidas aumenta, assim como a capacidade de interação com o outro, tanto tentando falar quanto compreendendo o que lhe dizem. E com 18 meses, o bebê já está ficando grandinho: normalmente anda bem, corre e, com alguma ajuda, consegue até subir escadas. Seu desenvolvimento motor está no auge.

Aos 2 anos de idade, espera-se que o pequeno já tenha um vocabulário de pelo menos 50 palavras e consiga montar frases simples em língua materna. Também, que coma de tudo, tenha interesse em brincar com outras crianças, ande direitinho, corra e até já mostre certas aptidões esportivas. Podemos dizer que o bebê já não é mais tão pequeninho assim e, por isso, suas consultas ao pediatra não são mais tão frequentes: a recomendação é de uma visita ao ano, até a vida adulta, se a criança não apresentar nenhuma anormalidade ou problema de saúde.

5 fatos sobre os primeiros passos

Os primeiros passos do bebê são muito esperados por toda a família e é uma importante conquista para o pequeno. É importante lembrar que cada criança tem o seu tempo, e para evitar a ansiedade, o melhor a fazer é se informar. Confira abaixo importantes fatos sobre esta fase:

- A criança pode começar a andar por volta dos 9 meses, mas a época mais comum é por volta de 1 ano de idade.

- Estimule a criança desde cedo, a partir dos 3 meses ela começa a desenvolver movimentos como rolar de um lado para o outro. Ao longo do primeiro ano de vida, a criança vai evoluir as posições desde sentar sem apoio até engatinhar e ficar em pé com apoio.

- Busque estimular o movimento, colocando brinquedos ou objetos de interesse da criança a uma distância que vá exigir que ele se locomova.

- Os tombos fazem parte do aprendizado. A criança precisa de supervisão, mas caso caia, procure manter a calma e garantir para a criança que está tudo bem.

- Mantenha a sua casa segura a partir do momento que o pequeno começa a andar. Janelas, degraus, tomadas, banheiras e vasos sanitários precisam estar fora do alcance.

Confira no nosso site, todos os brinquedos que ajudam a estimular a coordenação motora grossa, de braços e pernas, para ajudar o seu bebê desde cedo!

5 verdades sobre chupetas

Mito ou verdade? O que as chupetas trazem de benefícios ou o contrário para os pequenos? Todo pai e toda mãe já se deparou com essa questão pelo menos uma vez. Que tal então conferir algumas verdades sobre a tal falada chupeta?

- A chupeta pode atrapalhar a amamentação caso seja introduzida na rotina do bebê antes de o hábito de mamar estar totalmente estabelecido. A musculatura utilizada e a posição da boca do bebê com a chupeta é diferente da usada para mamar, o que pode atrapalhar o processo.

- Opte sempre pelas chupetas ortodônticas para prevenir problemas com dentição e respiratórios.

- A chupeta deve ser usada com moderação e o ideal é tirá-la do uso até os 2 anos de idade.

- A chupeta acalma o bebê mas o hábito pode levar o pequeno a engolir ar, levando a formação de gases e cólicas consequentemente.

- A chupeta deve ser trocada a cada 2 meses e lavada em água corrente toda vez que cair no chão ou entrar em contato com superfícies contaminadas.