voltar

Blog > irmãos

Prevenindo a desidratação em bebês

Nesta estação de altas temperaturas, a desidratação dos bebês é um perigo em potencial. Os pequenos precisam de líquido com muito mais frequência que os adultos, uma vez que seu aparelho digestório ainda em formação possui menor capacidade de armazenamento. Para bebês com menos de 6 meses que só mamam no peito, é importante que a mamãe sempre se mantenha hidratada. Normalmente, a amamentação é o suficiente para hidratação do pequeno e, em certos casos, água e soluções hidratantes podem ser recomendadas pelo pediatra.

Já no caso de bebês com mais de meio ano de vida, podem ser administradas pequenas quantidades de água junto com a amamentação regular. Oferecer alguns alimentos sólidos também é uma boa opção para prevenir a desidratação.

O jeito mais simples de saber se seu bebê está precisando de mais líquidos é observando a troca de fraldas. Se o pequeno está trocando menos de seis fraldas molhadas por dia, ofereça-lhe maior quantidade de líquidos. Outros possíveis sinais de desidratação são os seguintes:

— Ficar sem fazer xixi por mais de três horas;
— Urina mais escura e concentrada;
— Lábios e boca secos;
— Pele seca e descamando;
— Olheiras, olhos afundados;
— Poucas lágrimas quando chorar;
— Sonolência exagerada;
— Menor energia e respostas mais fracas aos estímulos.

Se algum desses sintomas for notado, o recomendável é entrar em contato com seu pediatra ou encaminhar o bebê ao atendimento médico mais próximo, para que um profissional oriente o tratamento de reidratação mais eficaz.

Receita de verão: espaguete com camarões e limão

Para aquele almoço durante as férias de verão, na praia ou na cidade, o cardápio pede escolhas leves e saborosas, mas que também deem energia para a criançada curtir o tempo livre. Durante estes dias mais quentes de descanso, as receitas do blog serão todas especiais, refrescante e leves, combinando super bem com a mais aguardada estação do ano. Hoje temos um prato especialmente delicioso para quem está na praia, espaguete com camarões e limão, confira a receita:

Ingredientes:

— 3 Colheres de azeite de oliva extra virgem
— 250 Gramas de tomates cereja
— 500 Gramas de camarão limpo
— 2 Dentes de alho amassados
— 2 Xícaras de folhas de espinafre picadas
— Suco e raspas de 1 limão
— 250 Gramas de espaguete
— Pimenta calabresa e sal a gosto

Modo de preparo:

Primeiro, coloque o espaguete para cozinhar, seguindo as instruções da embalagem.
Em uma frigideira grande, adicione o azeite de oliva em fogo médio. Adicione os tomates e tampe a frigideira, refogando-os por cerca de 10 minutos, até ficarem macios. Depois, adicione a pimenta calabresa, mexa e diminua para fogo baixo. Coloque o alho amassado, misture bem. É hora dos camarões, deixe-os cozinhar abaixo do molho, virando-os de lado a cada três minutos ou até ficarem opacos.
Aproveite esse tempinho para escorrer o espaguete.
Volte para a frigideira e adicione o suco e as raspas de limão, o sal e o espinafre ao molho de camarões. Desligue o fogo e adicione o espaguete cozido. Misture bem a massa ao molho e sirva em seguida, com um pouco de queijo parmesão ralado por cima, se desejar.

Rendimento: 3 a 4 porções.

Como proteger seu filho do sol?

Todo verão é a mesma preocupação: como deixar seus filhos efetivamente protegidos do sol? Bom, o primeiro erro já está em acreditar que esta é uma preocupação só de verão. Mesmo em outras estações ou em dias nublados, os níveis de radiação emitidos continuam sendo prejudiciais a pele de todos nós. Por isso, o uso de filtro solar é obrigatório durante o ano todo! E isso vale para adultos, idosos, crianças, bebês, para todas as faixas etárias.
Mas quando chega esta estação, as férias, claro que a exposição ao sol aumenta e a preocupação em proteger-se também. Então seguem algumas dicas de como manter saudável a pele das crianças, mesmo depois daquele dia na praia, piscina ou parque:

Fique à sombra: os raios UV são prejudiciais das 9h da manhã às 16h da tarde. Quanto mais próximo do horário do meio-dia, maior a incidência de UV. Prefira atividades indoor durante esse período. Mas, se a exposição ao sol for inevitável, procure uma sombra de árvore ou guarda-sol para proteger a criança.
Cubra o corpo: cubra o corpo da criança com uma roupinha fresca nos momentos de maior radiação. Atualmente, existem tecidos especiais para a proteção solar no mercado.
Chapéu: chapéus que cobrem a face, nuca e pescoço são os maiores aliados na proteção contra o sol. Algumas crianças preferem bonés, mas estes não protegem orelhas e pescoço da exposição.
Óculo de sol: os óculos de sol protegem os olhos dos raios UV, que podem causar catarata na velhice. Procure lentes que bloqueiem os raios UVA e UVB com uma eficácia próxima de 100%.

Agora, um aliado à parte, o filtro solar: escolha um produto com, no mínimo, fator de proteção SPF 15, além de bloquear raios UVA e UVB. Não se esqueça de aplicá-lo 30 minutos antes da exposição ao sol. Proteja as orelhas, nariz, lábios e as partes de cima dos pés. Leve o filtro solar para a praia e reaplique-o toda vez que a criança nadar ou suar demais. Isso vale também para aqueles que indicam ser à prova de água.
Para bebês com menos de 6 meses, procure produtos específicos para a faixa etária. Nem todos filtros solares possuem os mesmos ingredientes e, como a pele dos bebês é mais sensível, pode ocorrer uma reação alérgica. Nesses casos, converse com seu pediatra sobre a proteção mais indicada. De qualquer maneira, a melhor proteção para os menorzinhos ainda é evitar exposições demoradas ao sol e permanecer à sombra.

Nestes links você encontra testes recentes realizados pela Proteste sobre algumas marcas nacionais e importadas de filtros solares: aqui sobre filtros de aplicação corporal e aqui sobre filtros de aplicação facial.

DIY verão: vasos de melancia

O post de hoje traz uma ideia bem verão para enfeitar a sua casa e jardim que vai cativar a criançada a pôr a mão na massa: vasos de plantas com estampa de melancia. Além de fáceis de pintar, ficam uma graça e a ideia pode ser aplicada a outros utensílios da casa como pratos e vasilhas. Você vai precisar de:

— Vasos de cerâmica ou barro
— Tinta acrílica colorida, nas cores verde, vermelho, branco
— Pincel
— Caneta permanente preta

Comece pintando todo o vaso com uma camada de tinta branca. Depois pinte uma segunda camada com tinta vermelha na parte de baixo e tinta verde na borda de cima.

Deixe secar por pelo menos 6 horas. O ideal é deixar secando de um dia para o outro. Então, com uma caneta permanente preta, faça pontinhos na parte vermelha, representando as sementinhas da melancia.

Pronto! Seu vasinho com tema tropical está pronto para receber uma planta e decorar a casa com a alegria do verão!

3 doenças infantis mais comuns no verão

Nosso verão chegou na última semana e, com ele, vieram também mais chances de algumas doenças típicas da estação se manifestarem em nossos pequenos. As longas horas de diversão e exposição ao Sol, à beira de piscinas ou na praia, criam uma situação perfeita para o aparecimento de conjuntivite, insolação e problemas gastrointestinais. Essas são as enfermidades que mais comumente atingem as crianças durante esta estação e falaremos um pouco sobre cada uma delas a seguir.

Conjuntivite: a água de praia ou piscina em mau estado e a exposição excessiva aos raios solares são as principais causas da conjuntivite de verão em crianças. Os sintomas clássicos da doença são os olhos irritados e avermelhados, que passam a produzir uma secreção de cor amarela ou verde. Recomenda-se lavar os olhos com água, para limpar a secreção e evitar maior contaminação e inflamação da área. O tratamento deve ser feito por um médico, portanto, caso note esses sinais no pequeno, leve-o imediatamente para o hospital.

Insolação: as crianças amam brincar ao ar livre durante os dias de calor e perdem a noção do tempo nessas situações. Por isso, os pais têm que tomar cuidado com a duração da exposição ao Sol durante as brincadeiras dos pequenos. Mesmo utilizando filtro solar, é recomendável que a criança se exponha diretamente ao Sol por cerca de 15 a 20 minutos, no máximo. Então, é necessário que ela permaneça algum tempo na sombra e volte a reaplicar o filtro solar na próxima exposição direta. Também é importante lembrar de reaplicar o filtro toda vez que o pequeno sai da água do mar ou da piscina, mesmo que o produto afirme ser resistente à água. Quanto às crianças de menos de 18 meses de vida, é melhor não as deixar diretamente expostas ao Sol, pois ainda possuem uma pele muito sensível.

Doenças gastrointestinais: a mais comum do verão é a diarreia. Sua frequência aumenta, pois, com o calor, os alimentos estragam mais rápido. Por exemplo, mesmo que você leve alimentos para praia dentro de um isopor ou de uma bolsa térmica, a comida pode começar a estragar devido ao calor excessivo do ambiente, fazendo mal a quem a consumir. Não se esqueça que as crianças possuem menor resistência física do que os adultos, então o que faz mal a elas nem sempre nos faz mal. Em todo caso, ao menor sinal de um desarranjo gastrointestinal, faça com que ela beba muita água para repor os líquidos do corpo. No momento em que a diarreia superar a capacidade da criança se hidratar, leve-a ao hospital para tratamento.

Cuidados com as crianças na praia e piscina

Ao passar tempo com as crianças em praias e piscinas nestes dias quentes de verão, é preciso ficar atento a alguns cuidados. A proximidade da água, o calor e a exposição ao sol por tempo prolongado podem ocasionar acidentes ou consequências indesejadas para a saúde dos pequenos.

O uso de boias e a supervisão constante de um adulto é a melhor maneira de evitar o afogamento, um dos principais causadores de mortes de crianças no Brasil. Na praia, é aconselhável posicionar-se próximo ao guarda-vidas e orientar as crianças em relação à profundidade da água, bancos de areia e correntezas.

Algumas praias oferecem pulseiras à prova d’água que servem para identificar as crianças que venham a se perder em uma praia lotada. Mas ainda a supervisão constante é fundamental.

A alimentação é outro fator importante para se estar atento. O calor facilita a deterioração mais rápida dos alimentos, principalmente os vendidos na areia da praia, o que pode ocasionar problemas gastrointestinais em adultos e crianças. O ideal é levar lanche de casa, principalmente os ricos em água como frutas, sucos e verduras e mantidos em uma bolsa térmica.

A hidratação deve ser constante, principalmente nos períodos prolongados ao ar livre no verão. O protetor solar também não pode faltar tanto antes de sair de casa, como durante o passeio. Alguns preferem uma proteção maior contra os raios solares, com roupas próprias para banho, que cobrem uma área maior do corpo. Chapéus, bonés e o bom e velho guarda-sol são aliados indispensáveis.

De forma simples e com um pouco de organização, é possível aproveitarmos as férias por mais tempo e curtir o verão de forma segura e saudável!