voltar

Blog

Formas caseiras de curar e confortar


Mudança de estações, como esta do inverno para a primavera, acabam sempre causando algumas mudanças de temperatura, umidade e qualidade do ar. Isso acarreta, às vezes, aqueles resfriados, alergias e indisposições diversas nos pequenos. Contudo, toda mãe conhece algumas formas caseiras de aliviar certos mal-estares que um dia sem casaco ou um vento mais gelado podem causar, trazendo conforto quase imediato para as crianças.


Para problemas respiratórios, gripes e resfriados, uma boa maneira de acelerar a melhora da criança é preparar uma sopinha quente. A canja é a receita mais comum. A proteína da carne, as vitaminas dos legumes e o carboidrato do arroz são uma bomba de nutrientes para dar vitalidade à criança. Além do que, a sopinha quente conforta e abre as vias aéreas. Outra boa dica, para gripes, resfriados ou alergias que deixam o nariz dos pequenos entupido, é adicionar um pouco de curry, tempero indiano picante que ajuda a abrir as vias aéreas e esquenta o corpo, acelerando o trabalho do sistema imunológico. Chás quentes com gengibre, mel e limão podem também ser um alívio imediato para esse tipo de mal-estar.


Quando o tempo está muito seco, também são comuns problemas respiratórios. Nesses casos, o ideal é tentar umidificar o quarto da criança. Existem umidificadores de ar à venda em farmácias e lojas especializadas em produtos médicos que são aliados poderosos. Utilizando uma solução de soro fisiológico, o aparelho produz uma inalação que abre as vias respiratórias. Mas, caso você não disponha de um umidificador, pode aplicar a solução de soro fisiológico diretamente no nariz do pequeno, assim como deixar uma toalha molhada perto de sua cama. Conforme a umidade da toalha evapora, esse processo ajuda a equilibrar a qualidade do ar no ambiente.


Para problemas de digestão, evite dar antiácidos para as crianças. O melhor é utilizar alimentos naturais que equilibrem o ph do estômago, tais como batata, couve, milho, pimentão e uva. Até mesmo uma mistura de água com suco de limão pode combater a acidez, pois, apesar dessa fruta ser cítrica, ela tem um efeito neutralizador de ácidos quando chega ao estômago. O mesmo se aplica ao abacaxi, que possui enzimas proteolíticas, que neutralizam as proteínas. Mas caso utilize essa fruta com antiácido, certifique-se de que a criança não consuma carboidratos junto, pois eles acabam inibindo sua ação.


Para casos de constipação intestinal, são muitos os alimentos que podem sanar esse problema, evitando o uso de purgantes ou supositórios de farmácia. A fruta mais poderosa é o mamão e mesmo as suas sementes podem ser consumidas para acabar com a constipação. Outros alimentos que equilibram a quantidade de fibras no organismo são: folhas verdes, brócolis, laranja com bagaço, leguminosas (abóbora, cenoura, beterraba, inhame), oleaginosas (grão de bico, lentilha, feijão, ervilha), damasco, ameixa, aveia e cereais integrais.


Portanto, quando seu filho estiver com alguma dessas indisposições comuns, é melhor ir antes à geladeira do que à farmácia. Evitar o uso de remédios desde a infância é garantir a saúde do pequeno no futuro.

Como higienizar os ouvidos das crianças?


Sempre ouvimos falar que utilizar cotonetes não é a forma ideal de higienizar nossos ouvidos, mas será verdade? Quando pensamos no caso das crianças, que possuem esse órgão ainda mais sensível e passível de infecções, o cuidado deve ser redobrado.


O uso do cotonete não é realmente a maneira ideal para higienizar os ouvidos, tanto no caso de adultos quanto de crianças, e sua frequente utilização pode ser perigosa, pois a cera do ouvido é uma espécie de barreira natural que previne infecções no canal auditivo externo e protege os ouvidos do contato com a água e com sujeiras do ambiente. Porém, normalmente, o corpo produz mais cera do que o necessário, por isso sentimos a necessidade de limpar o ouvido. Quando utilizamos o cotonete, sua introdução no canal auditivo pode causar traumas, deixando-o sem a proteção natural fornecida pela cera.


A melhor forma de higienizar os ouvidos dos pequenos é após o banho, limpando direitinho as orelhas com água e sabão. Você também pode utilizar um algodão molhado para ajudar na higiene das dobrinhas das orelhas. Depois disso, de uma a duas vezes por semana, assim que a criança sair do chuveiro ou da banheira, pegue uma toalha limpa e introduza-a levemente na parte mais externa do ouvido, retirando a cera que possa ficar acumulada na parte de fora.


Caso a criança sofra alguma infecção ou tenha um acúmulo muito grande de cera que chegue a prejudicar a sua audição, jamais tente fazer a limpeza do ouvido em casa. Leve-a a um médico especialista, o otorrinolaringologista, que fará essa limpeza da maneira correta, utilizando uma mangueira de sucção que não traumatiza o canal auditivo, nem provoca irritações. Também não utilize soluções líquidas compradas em farmácias que prometem amolecer a cera para a higienização dos ouvidos, elas são ainda mais prejudiciais que os cotonetes.

Como lidar com as preocupações das crianças?


Os pequenos não possuem as mesmas obrigações da vida adulta, mas também podem se preocupar como qualquer adulto com suas pequenas obrigações diárias. Da mesma forma, quando estressados ou desapontados, a frustração pode tomar seu estado de espírito. É natural que as crianças também se preocupem, isso faz parte da condição humana e, de acordo com personalidades e temperamentos diferentes, algumas se preocupam mais do que outras. Por isso que os pais precisam ser pacientes e ajudar seus filhos em situações que lhe tragam preocupações, tranquilizando-os e lhes ensinando a medida exata que cada problema demanda. Assim, futuramente, na vida adulta, eles saberão lidar mais facilmente com os desafios da vida, tanto grandes quanto pequenos.


Mas como ajudar seu filho? Como abordar o problema que está o incomodando? Primeiro, demonstre que você se importa, através do diálogo, sempre tente ficar sabendo sobre o que acontece na escola, nas atividades extracurriculares ou dentro da turma de amiguinhos do pequeno. Transforme esse cuidado em uma conversa regular e casual. Demonstrando que você se importa e que quer sempre estar ciente do que acontece na vida de seu filho, ele se sentirá sempre à vontade em lhe contar coisas boas e ruins, assim como exprimir seus sentimentos positivos e negativos.


Além desse diálogo aberto, é importante mostrar que você compreende as preocupações da criança. Não adianta nada escutá-la e minimizar seus sentimentos. Nunca é demais ressaltar que a infância é a época das primeiras descobertas sobre o mundo e um ensaio para aprender a lidar da melhor maneira com os desafios da vida. O que parece muito simples para um adulto pode não ser para uma criança. Portanto, a empatia por parte dos pais é um quesito essencial para a construção da inteligência emocional de seus filhos. Os pequenos problemas da infância podem se tornar mais complexos no futuro se não forem acolhidos com carinho e compreensão pelos adultos amados pelas crianças, seres nos quais elas depositam toda a sua confiança.

10 dicas para as crianças dormirem melhor


Se toda noite é aquela mesma saga para fazer o seu filho dormir, talvez seja propício tomar algumas medidas que o ajudem a pegar no sono no horário conveniente. Estas 10 dicas podem ajudar a criança a seguir uma rotina ideal para o sono da família toda:

  1. Evite grandes refeições e alimentos pesados pelo menos 2 horas antes do momento de dormir, assim como bebidas ou comidas que contém cafeína 6 horas antes de ir para cama.

  2. Depois do jantar, é melhor não haver atividades estimulantes e brincadeiras que despendam muita energia, elas acabam tirando o sono das crianças. O melhor é relaxar, ler uma boa história e dar um tempo para a digestão.

  3. Avise seu filho com certa antecedência sobre o horário de ir dormir, por exemplo: “daqui a 30 minutos é hora de deitar e dormir”. Mas avise apenas uma vez. Se você reiterar essa informação, acaba dando chance a criança de postergar a hora de finalmente descansar.

  4. Logo depois desse aviso, estabeleça uma rotina de relaxamento no quarto da criança. É um tempo para curti-la, contar histórias, conversar ao seu lado na cama. Evite contos assustadores ou ligar a TV. Também, é melhor ler histórias conhecidas e apreciadas pela criança, pois, aquilo que já lhe é familiar a faz relaxar.

  5. Evite cantigas de ninar e balançar a criança no berço ou em seu colo para fazê-la dormir, porque isso pode condicioná-la a só dormir com o movimento ou a música. Desta forma, se ela acordar no meio da noite, você acabará tendo que repetir o procedimento. O melhor é condicioná-la a dormir em contato com algum objeto que lhe dê conforto, como um cobertor ou um bichinho de pelúcia.

  6. Garanta o conforto de seu filho na cama ou no berço. Pijamas, cobertores, travesseiros e ursinhos de pelúcia não devem restringir seus movimentos. Da mesma forma, a temperatura do quarto deve estar agradável.

  7. Se seu filho chama por você logo depois de ficar sozinho no quarto, não o responda imediatamente. Essa atitude o fará lembrar que está na hora de dormir e também lhe dará a chance de acalmar-se e dormir sozinho, enquanto espera por você atendê-lo.

  8. Se a criança sair do quarto no meio da noite, conduza-a gentilmente à cama e lembre-a que é hora de dormir.

  9. Alguns objetos que acalmam a criança podem ser bons aliados para fazê-la relaxar, não só bichinhos de pelúcia para abraçar, como também alguns aromas calmantes que você pode borrifar no quarto ou uma meia luz agradável para os pequenos que têm medo de escuro.

  10. Estabeleça uma lógica de compensação para cada noite que a criança passa inteirinha em seu quarto, sem problemas para dormir. Assim, se ela receber algo que deseja por dormir direitinho, acaba internalizando mais facilmente a importância de seguir essa rotina.

Receita para o feriado: pudim de maria-mole

Feriado chegando, é hora de preparar aquele almoço em família para curtir o tempo de descanso. E toda refeição especial pede uma sobremesa deliciosa. Nossa receita de hoje é um pudim de maria-mole super leve e fácil de fazer. Não precisa levar ao fogo e conta com ingredientes simples, confira!

Ingredientes:

— 1 Lata de leite condensado

— 1 Lata de creme de leite sem soro

— 1 Lata de leite integral

— 50 Gramas de coco ralado

— 1 Caixinha de mistura para maria-mole (você encontra em qualquer supermercado)

Modo de preparo:

Misture no liquidificador o leite condensado, o leite, o coco ralado e o creme de leite, batendo sem parar por cerca de 5 minutos.

Com 5 colheres de sopa de água fervendo, hidrate o pó de maria mole separadamente, depois que tiver batido os outros ingredientes. Assim que todo o pó dissolver completamente na água, jogue essa mistura no liquidificador e bata por mais 5 minutos.

Então, despeje o conteúdo numa fôrma de pudim e leve ao congelador por 2 horas.

Rendimento: 10 porções.

Dizer "não" às crianças como forma de criar limites


Por que é tão importante saber dizer “não” ao seu filho? A resposta parece óbvia, pois esta é uma forma de criar limites. Mas todo pai e toda mãe sabe que nem sempre é fácil negar os desejos dos pequenos e, também, é bastante cansativo estar sempre atento para os limites que devem ser impostos em determinadas situações. Mesmo quando não estamos lidando com crianças, dizer “não” pode ser algo custoso, mas sabemos que, apesar de ser imediatamente mais fácil dizer “sim”, a longo prazo, os custos de não impor certas limitações, tanto a nossos filhos quanto a outras pessoas de nossa convivência, podem ser muito mais trabalhosos.


As crianças nascem sem saber quais são os limites do convívio em sociedade e seu papel nela, por isso, cabe aos pais demonstrar e ensiná-las. Ao dizer “não” a seu filho, você estará não só negando os seus desejos muitas vezes equivocados, mas também, ensinando-o a tolerar a frustração, o desapontamento, assim como a demonstrar agradecimento pelo que os outros podem fazer por ele. Nem sempre ou quase nunca conseguimos que o mundo se porte da forma como mais nos agrada. Desta forma, dizer “não” é como um preparo para que seu filho saiba lidar com as intempéries da vida.


Uma das maiores críticas que vemos sendo lançadas com relação à geração Y (nascidos entre o final da década de 1970 e o começo da década de 1990) e à geração Z (nascidos entre meados da década de 1990 e a primeira década do século XXI) é de como esses indivíduos são infelizes em suas vidas pessoal e profissional, justamente por não saberem lidar com as frustrações da vida. Em geral, foram educados para se sentirem muito especiais e sempre merecedores daquilo que desejam e do que há de melhor. No entanto, sabemos que a vida não ocorre desta maneira.


A isso podemos somar a necessidade que muitos pais (muitos deles pertencentes à geração X e, até mesmo, à geração Z) sentem em tornar o pouco tempo que possuem disponível com seus filhos em momentos de prazer, evitando qualquer situação desagradável. Mas educar uma criança não é só alegria, é também compromisso com a sua formação mais elevada. Educar significa impor limites e preparar o pequeno para o mundo, não para si mesmo. Assim, é preciso dizer “não” mesmo quando isso pareça algo cansativo ou quando desfavoreça a criança. É preciso que os pais tenham força e convicção nesse sentido. Futuramente, seu filho irá lhe agradecer por isso.